Festa do Divino de Paraty

Festa do Divino Espírito Santo em Paraty

De 27/05 a 05/06/2022

PROGRAMAÇÃO MUSICAL

Sexta-feira, 27/05/2022
21h – Velha Guarda
22h30 – Zeca Pagodinho

Sábado, 28/05/2022
21h Abertura da Mega Gincana do Divino
22h30 – Nako & Rafael

Domingo, 29/05/2022
21h Encerramento da Mega Gincana do Divino
23h30 – Grupo Cirandeiro de Paraty

Segunda-feira, 30/05/2022
21h – Igor Yamas

Terça-feira, 31/05/2022
21h – André Pantera

Quarta-feira, 01/06/2022
21h – Karina Braz

Quinta-feira, 02/06/2022
21h – Show de Calouros, com a Banda Ratones

Sexta-feira, 03/06/2022
21h – Frank Cadillac
22h30 – Toni Garrido

Sábado, 04/06/2022
12h – Almoço do Divino com Samba de Rosena

Domingo, 05/06/2022 🕊️
21h – Padre Antônio Maria

PROGRAMAÇÃO RELIGIOSA

Sexta-feira,  27/05/2022

06h – Alvorada festiva de abertura
12h – Repicar dos sinos
18h20 – Oração do Terço
19h – Saída da bandeiras da residência dos festeiros, seguindo em procissão para a Igreja Matriz
19h30 – Missa solene com ladainha, dando início à Festa, com a entronização do Resplendor do Divino Espírito Santo

De 28/05 a 03/06/2022
18h20 – Oração do Terço
19h – Saída das bandeiras, passando pela residência dos festeiros e seguindo para a Igreja da Matriz
19h30 – Santa Missa e ladainhasEXTA

Sábado,  04/06/2022
07h – Distribuição de carnes aos mais necessitados – cantina da Paróquia
09h – Bando Precatório pelas ruas da cidade
12h – Bênção do almoço de confraternização do Espírito Santo na Igreja Matriz
14h30 – Leilão de prendas
18h20 – Oração do Terço
19h – Saída das bandeiras da residência dos festeiros seguindo para a Igreja Matriz

Dia 05/06/2022 – DOMINGO DE PENTECOSTES 🕊️
06h – Alvorada Festiva
08h30 – Trasladação do Resplendor do Divino Espírito Santa da casa dos festeiros juntamente com o Menino Imperador, seus Vassalos e Guardas, onde seguirão para a Igreja Matriz
09h – Santa Missa Festiva
11h – Libertação do preso da Antiga Cadeia
12h – Distribuição de doces para as crianças pelo Imperador no Império do Divino
17h – Santa Missa de Ação de Graças com procissão e anúncio dos novos festeiros

Atribuída à Rainha Isabel (1271 – 1336), a Festa do Divino chegou ao Brasil trazida pelos colonizadores e vem acontecendo em Paraty desde o século XVIII. Realizada no dia de Pentecostes (50 dias após a Páscoa), a festa homenageia a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Pelas suas enormes proporções, envolvendo praticamente toda a comunidade, a festa começa a ser organizada um ano antes de sua realização: escolhido pela Paróquia, um “festeiro” administra dezenas de voluntários – às vezes mais de um para cada atividade, seja religiosa ou profana.

São 10 dias inteiros de missas, ladainhas, leilões, rifas, bingos, bebidas, comidas e danças típicas, e shows musicais. É notável observar-se que o Divino vem mantendo, ao longo dos séculos, o mesmo espírito comunitário, religioso e folclórico dos primeiros tempos. Alguns aspectos foram adaptados à realidade local como, por exemplo, a Folia do Divino, que foi suprimida: mas a festa se mantém imutável nos seus princípios básicos, como na distribuição de carnes aos pobres, comida ao povo e balas e doces às crianças: e os portugueses chamam de “vodos” do Divino.


O último fim de semana é o que mais trabalho requer: após a alvorada, no sábado de manha bem cedo, carne é distribuída aos pobres pelos festeiros exatamente como Dona Isabel fez 700 anos atrás. Ao meio dia, comida e bebida são distribuídos á população. De noite, na Matriz, um adolescente da comunidade é coroado Imperador do Divino, que assiste missa com seus vassalos e, logo após, recebe homenagens do lado de fora da igreja, com a apresentação da Dança das Fitas, do Xiba Cateretê, da Dança dos velhos e dos bonecos folclóricos de Paraty: o Boi, o Cavalinho, o Peneirinha e a Miota – ou Minhota, originária do Minho, em Portugal.


Também é costume durante a Festa do Divino acontecer shows, gincanas, shows de calouros, etc. Aguarde para conhecer a programação de 2022.

O Imperador e sua corte, o festeiro e dezenas de outros devotos carregando suas bandeiras, dão uma volta pela cidade arrecadando donativos e seguem para assistir missa. Em seguida, o Imperador assiste à Congada (Marrá Paiá em Paraty). Na cadeia antiga, simbolicamente ele liberta um preso. A ultima procissão acontece à tardinha, após a qual o festeiro passa a Bandeira Mestra para o festeiro do ano seguinte.


O Imperador preside as cerimônias de sua festa distribuindo lembranças e medalhas, soltando da cadeia um preso comum, como indulgência imperial, e recebe as homenagens das autoridades locais e as reverências de praxe. Na parte religiosa, preside às procissões e tem assento ao lado direito do altar, em trono ricamente ornado, ostentando as insígnias imperiais: coroa e cetro de prata.

FESTA DO DIVINO, PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO
O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, reunido na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Brasília, aprovou no dia 3 de abril de 2013, o Registro da Festa do Divino Espírito Santo de Paraty, no Rio de Janeiro, como Patrimônio Cultural Brasileiro. De acordo com o parecer do DPI sobre a festividade, trata-se de uma celebração representativa da diversidade e da singularidade, com elementos próprios, fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural do paratiense. A Festa possui, ainda, relevância nacional, na medida em que traz elementos essenciais para a memória, a identidade e a formação da sociedade brasileira, além de ser uma referência cultural dinâmica e de longa continuidade histórica.